David Carmo ganhou notoriedade no SC Braga, tendo rumado ao FC Porto este verão, mas chegou a vestir a camisola do Benfica nos escalões de formação, entre 2011 e 2013. Uma experiência que o central recorda em entrevista à revista 'Dragões'.

"Tive um atraso no crescimento e fiquei para trás em termos físicos em relação aos meus colegas. Admito que não estava ao mesmo nível e, se calhar, ter saído de lá foi a melhor coisa que me aconteceu", começou por dizer.

"Se me deixou muito abalado? Fiquei nos primeiros meses. Passava lá os dias todos, a minha vida era aquilo, os meus amigos também... custou-me muito, mas mais pelo lado de fora do futebol. Só que o meu pai nunca me deixou ir abaixo e disse-me que, se eu tivesse que ser jogador, não tinha de ser só ali. Há 1001 clubes e oportunidades, só dependia de mim, e deu-me força para continuar o meu trabalho", acrescentou.

Anos depois, David Carmo tornou-se na transferência mais cara da história entre clubes portugueses, depois de ter sido contratado pelo FC Porto por 20 milhões de euros.

"É uma pressão que me traz motivação. É uma responsabilidade e ainda bem que a sinto, porque não me deixa facilitar. Com a lesão ganhei muitas coisas em relação a isso, aprendi a ter prazer no que estou a fazer e a dar valor à sorte que temos de fazer o que gostamos. Vejo mais isso como uma motivação e uma responsabilidade boa", garantiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.