O candidato à presidência do Benfica Rui Gomes da Silva revelou hoje que a lista de João Noronha Lopes recusou uma posição conjunta contra o voto eletrónico e pediu para não contarem com ele para “cenas de teatro”.

“Foi proposto à outra lista concorrente [de oposição] que houvesse uma posição conjunta. Essa posição conjunta, da nossa parte, foi tentada várias vezes e nunca quiseram assumir uma posição conjunta em relação ao voto eletrónico. Não venham agora entrar em cenas de teatro no momento da votação”, frisou aos jornalistas, após exercer o direito de voto.

Mostrando que “a desconfiança é grande, para não dizer total”, em relação à fiabilidade do sistema de voto eletrónico utilizado, Rui Gomes da Silva vincou que as críticas de Noronha Lopes vêm “tarde e a más horas”, rejeitando que venham “com frentismos populares”, quando “durante três meses se recusaram terminantemente a assinar uma posição conjunta”.

“Espero que os resultados sejam de acordo com a expressão de voto dos sócios. Lamento que a direção e a Mesa da Assembleia-Geral do Benfica não tenham aceitado um conjunto de regras que propusemos. Espero que o computador do Benfica seja generoso com a minha pessoa e a minha candidatura”, expressou.

As eleições de hoje para a presidência do Benfica bateram já o recorde histórico das mais votadas de sempre, com 30.233 votantes até às 20:22 e quando as urnas encerram apenas as 22:00.

A pouco menos de quatro horas do fecho, a votação superou o anterior maior registo, alcançado em 2012, com 22.676 eleitores, quando o atual presidente, Luís Filipe Vieira, derrotou o juiz Rui Rangel, com uma preferência de 83,02 por cento dos votos.

O candidato pela lista D indicou que a afluência significativa está relacionada com “o facto de o Benfica ser um clube democrático” e que se deve ao seu “projeto alternativo à direção que o Benfica tem”.

O Benfica elege hoje o novo presidente do clube, numas eleições em que Luís Filipe Vieira se candidata a um sexto mandato, frente a João Noronha Lopes e Rui Gomes da Silva.

As eleições, que decorrem no Pavilhão n.º 2 do Estádio da Luz, em Lisboa, entre as 08:00 e as 22:00, e em 24 casas do clube, vão definir os órgãos sociais para o quadriénio de 2020/2024, e estão entre as mais concorridas de sempre.

Na história do clube é apenas a sétima vez que concorrem três listas à liderança, e apenas não existe o recorde de quatro porque a candidatura da lista C, encabeçada por Luís Miguel David, e proposta por Bruno Costa Carvalho, se retirou.

Hoje, os benfiquistas vão escolher entre a lista A de Luís Filipe Vieira, de 71 anos, o presidente em exercício e a pessoa com mais tempo na liderança do Benfica, há 17 anos, desde 2003, e os antigos vice-presidentes Noronha Lopes e Rui Gomes da Silva (lista D).

O sufrágio de hoje - que manterá Luís Filipe Vieira como 33.º presidente ou elegerá um 34.º, entre Noronha Lopes e Gomes da Silva - será feito por voto eletrónico, num ato antecipado em dois dias, devido à proibição de circulação de pessoas entre concelhos, como medida de combate à pandemia de covid-19.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.