O candidato à presidência do Benfica João Noronha Lopes apresentou hoje a lista aos órgãos sociais “que vai garantir uma transição sem sobressaltos” no clube, aliando “competência e benfiquismo” nos diversos elementos.

“É uma lista que vai garantir uma transição sem sobressaltos, que estudou Benfica, que se preparou e que garante a todos os sócios do Benfica que, no dia a seguir às eleições, estaremos preparados para assumir plenamente as nossas funções, na defesa intransigente dos interesses do Sport Lisboa e Benfica”, garantiu, na sua sede de campanha, em Lisboa.

Lembrando que “esta não é uma lista contra ninguém”, mas sim “a favor do Benfica”, Noronha Lopes sublinhou a “diversidade, complementaridade e a união no amor” aos ‘encarnados’ de todos os candidatos da lista que tem como lema ‘Um Benfica que voa mais alto’.

“Temos o benfiquismo, a energia, a garra, a ambição e uma vontade sem fim de trazer ao Benfica aquilo que ele já foi antes. Um Benfica que assuma a sua grande dimensão, de maior clube português e, principalmente, do clube europeu que tanto desejamos”, frisou.

João Noronha Lopes candidata-se à direção do Benfica auxiliado pelos candidatos a vice-presidentes Carlos Perdigão, António Borges da Assunção, Pedro Cardigos, Pedro Ribeiro, Pedro Adão e Silva e Jorge Fonseca Ferreira e pelos suplentes Manuel Mota e Stephan Morais.

O empresário e ex-candidato às eleições Francisco Benitez, que desistiu da ‘corrida’ e se juntou a Noronha Lopes, encabeça a lista para a Mesa da Assembleia-Geral, tendo como vice-presidente Luís Sousa Macedo, como secretários Cristina Santos Silva e Diogo Leote Nobre e como secretário suplente José Braga da Cruz.

“A assembleia-geral é, para mim, o grande bastião dos valores e identidade benfiquista. É aí que os benfiquistas devem falar. Manteremos uma independência rigorosa de todos os outros órgãos sociais, faremos das assembleias-gerais momentos de grande benfiquismo e que, no fim, saiamos todos com uma chama imensa no peito”, expressou.

O Conselho Fiscal e Disciplinar tem como candidato a presidente o CEO do Grupo Pestana, José Theotónio, auxiliado pelo vice-presidente Pedro Penalva, pelos vogais Martim Avilez Figueiredo, Aulácio Costa Almeida e Vicente Pedro Nunes e pelo vogal suplente Manuel Cary.

“Podem contar com uma gestão rigorosa do Conselho Fiscal e que dê a informação toda correta para que, nas assembleias-gerais, o Francisco [Benitez] possa pôr os sócios a falar e a estarem dentro da vida do clube”, prometeu.

Nas respostas aos jornalistas, João Noronha Lopes fez “um balanço muito positivo” da campanha eleitoral, mas voltou a apelar para que o atual presidente Luís Filipe Vieira aceite debater com os restantes candidatos.

“Recusar debater com outros candidatos à presidência do maior clube português, que já era democrático antes de existir a democracia, representa um enorme desrespeito pelos sócios do clube”, afirmou, acrescentando: “O que não é um Benfica popular é um Benfica de alguém que se acha dono do clube, de alguém que acha que tem o direito de nomear o seu sucessor. Um Benfica popular não é um Benfica monárquico”.

As eleições para os órgãos sociais do Benfica para o quadriénio 2020-2024 estão agendadas para 30 de outubro.

Além do atual presidente, Luís Filipe Vieira, concorrem ao escrutínio João Noronha Lopes, Rui Gomes da Silva e Bruno Costa Carvalho.

Vieira foi eleito presidente do Benfica em 2003, sucedendo a Manuel Vilarinho.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.