O FC Porto acabou por mostrar melhor adaptação a todas as contingências, numa das épocas mais atípicas do futebol português, protagonizando uma recuperação pontual que ficará na história da I Liga para garantir o seu 29.º título nacional.

Os ‘dragões' conseguiram inverter uma desvantagem que, há 19.ª jornada, era de sete pontos, para o rival Benfica, para terminarem a competição no primeiro lugar, com mais cinco que os ‘encarnados', fechando as contas com um total de 82 pontos.

O desfecho fulgurante do título, que até foi conseguido quando ainda havia duas rondas por disputar, até contrastou com um arranque de época marcado por uma inesperada desilusão, no afastamento precoce da Liga dos Campeões, aos pés dos russos do Krasnodar, que fechou as portas da fase de grupos da prova milionária, com óbvios impactos financeiros.

No campeonato, a equipa também entrou em falso, com uma derrota frente ao Gil Vicente, em Barcelos, num dos quatro desaires ao longo da prova, mas que foi recuperado, nomeadamente, nos embates diretos com os principais rivais, onde os comandados de Sérgio Conceição fizeram o pleno, vencendo os dois jogos com Benfica e Sporting.

Apesar de não terem um plantel vasto em opções, os ‘dragões' conseguiram, globalmente, acertar nas suas contratações, nomeadamente no guarda-redes Marchesín, no regresso do defesa Marcano, ou na revelação do avançado Luiz Díaz, aproveitando, também, para apostar em vários jovens da sua formação, sobretudo na parte final do campeonato.

Nas contas da Liga Europa, o conjunto nortenho, com alguns solavancos, acabou por superar a fase de grupos, mas caiu no duelo seguinte, a eliminar, frente aos alemães do Bayer Leverkusen, passando, então, a concentrar as suas maiores atenções no campeonato.

Para trás também ficou a Taça da Liga, após a derrota na final, frente ao Sporting de Braga, numa altura particularmente instável, onde Sérgio Conceição, então alvo de críticas, chegou mesmo a colocar o seu lugar à disposição, falando em "falta de união no clube".

Coincidência, ou não, foi a partir desse momento que a equipa encetou a recuperação na I Liga, reduzindo, progressivamente, a desvantagem para o então líder Benfica, e assumindo, à 23.ª jornada, a liderança da prova, com mais um ponto.

Quando surgiu a paragem forçada devido à pandemia da covid-19, os ‘azuis e brancos' passaram a quarentena galvanizados pelo primeiro lugar, mostrando maior regularidade na retoma, pois, mesmo com dois deslizes, frente a Famalicão e Desportivo das Aves, foram capitalizando os tropeções dos Benfica, chegando a ter uma vantagem de sete pontos.

Sem mais largar a liderança da prova, e com a reeleição de Pinto da Costa para o seu 15.º mandato na liderança do clube a fortalecer a estabilidade, apesar de um ato eleitoral onde teve dois concorrentes, a equipa atingiu o objetivo principal, mas ainda tem um derradeiro desafio na final da Taça da Portugal frente ao Benfica, no sábado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.