Os futebolistas Aaron Tshibola, Kevin Yamga e Pedro Delgado desvincularam-se “de forma amigável” do Desportivo das Aves, último classificado da I Liga, confirmou hoje à agência Lusa a administradora Estrela Costa.

“Estes jogadores rescindiram com o conhecimento da SAD. Não foi uma rescisão conflituosa, mas de comum acordo. O Pedro estava emprestado e continuamos em negociações com os outros dois. Efetivamente temos salários em atraso, mas nada se deveu a isso”, explicou a acionista da Galaxy Believers, que gere o futebol avense.

O extremo franco-camaronês Kevin Yamga apontou um golo em 22 jogos e fez a última aparição no sábado, quando o emblema do concelho de Santo Tirso saiu goleado na visita ao Sporting de Braga (4-0), enquanto o médio internacional congolês Aaron Tshibola chegou à Vila das Aves no ‘mercado de inverno’ para somar quatro encontros.

Igual desempenho teve o centrocampista Pedro Delgado, que esteve cedido pelos chineses do Shandong Luneng desde janeiro e integrou as conversações entre o plantel e administração liderada pelo chinês Wei Zhao em 30 de junho, das quais se extraiu o “modelo de transparência possível” a adotar na reta final do campeonato.

“Pedi friamente que quem quisesse ir embora, fosse. Queria ter a certeza de que este clube, que já desceu, iria lutar com o mesmo objetivo de ganhar. Ontem [quarta-feira] mostrámos isso em campo. Era mais fácil termos perdido, mas estou muito orgulhosa por termos mostrado que somos uma equipa pequena e séria”, valorizou Estrela Costa.

Uma grande penalidade convertida pelo avançado iraniano Mohammadi garantiu o triunfo na receção ao Vitória de Setúbal (1-0), num encontro da 31.ª jornada que encerrou ciclos negativos de 11 rondas sem vitórias e 680 minutos ininterruptos em branco por parte dos nortenhos, que ajudaram a consumar a despromoção à II Liga em 29 de junho.

O Desportivo das Aves ocupa a 18.ª e última posição, com 17 pontos, mas já evitou o estatuto de lanterna-vermelha da história da I Liga com menos pontos num campeonato disputado a 34 rondas e com menor média de pontos por desafio, superando o registo do Penafiel na temporada 2005/06, com 15 pontos somados à média de 0,44 por jogo.

Os nortenhos aguardam desde 09 de junho pelo desfecho de um processo junto do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, assente na ausência de documentos comprovativos quanto à regularização salarial de jogadores e treinadores em março e abril, cujo incumprimento pode custar uma penalização de dois a cinco pontos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.