Em Munique, a 13 de Março de 2019, o Bayern era eliminado pelo futuro campeão europeu. Mais de um ano depois, chegava a Lisboa para a inédita final-8 como o favorito a suceder ao Liverpool. Dito e feito. Hansi Flick entrou a meio da temporada, encaixou as peças e a equipa alcançou um nível que lhe permitiu recuperar um título que não ia para a Baviera desde 2012/2013. Não é difícil escolher individualidades para destacar, mas há um antes e um depois da entrada do ex-adjunto de Löw.

Depois de Klopp devolver a orelhuda ao Liverpool, tivemos uma final entre dois técnicos alemães e Nagelsmann atingiu um resultado prestigiante para o RB Leipzig. Mais do que na nacionalidade, importa colocar o foco nas ideias que têm permitido este êxito na maior competição de clubes. Tanto os reds como o Bayern são altos representantes de um futebol global, em que todos defendem e todos atacam.

Note-se que alguns dos jogadores mais evoluídos tecnicamente estão no sector mais recuado - Alexander-Arnold e Kimmich, médios de formação, sem esquecer Van Dijk e Alaba - e que os guarda-redes são importantes com e sem bola. Se subirmos um pouco no campo, encontramos um organizador de excelência como Thiago, que até deve rumar a Anfield. Sabendo que a pressão cada vez traz mais exigências, o antídoto passa por ter jogadores criativos e confortáveis para a desmontar.

É também a partir dessa agressividade defensiva no meio campo adversário que surgiram as bases deste fußball. Klopp chegou a dizer que o RB Salzburgo, pelo estilo e pelo perfil de jogador que privilegiava, era o “irmão mais novo” do Liverpool. A filosofia Red Bull tem o dedo de Ralf Rangnick, inspiração para muitos técnicos da nova vaga germânica. Desta forma, a disponibilidade para a pressão por parte dos avançados tornou-se um princípio indispensável. Hansi Flick, na final, trocou os dois extremos de uma assentada para poder manter o mesmo ritmo na pressão em zonas adiantadas. Desequilibrar e marcar golos, claro, mas também condicionar o jogo do adversário. Isto é algo que se se opõe ao que acontece na Juventus e no Barcelona, por exemplo, com individualidades acima do colectivo.

Os catalães, no início, tentaram promover uma troca de golpes com o Bayern, mas o ritmo caótico favorece quem está mais habituado a viver nele. Apesar do título, a histórica goleada será “a” memória que fica desta final-8. Essa fome de golos é, aliás, uma parte essencial do ADN da equipa bávara, obcecada por atacar a baliza desde o primeiro ao último minuto. Ao contrário de Nagelsmann, que teve receio de Mbappé, Flick preocupou-se mais em como ferir o PSG e foi feliz.

Como sempre acontece, o sucesso define tendências e esta ideia de pressão alta e verticalidade máxima já se instalou no futebol europeu. É difícil contrariá-la quando o todo não supera a soma das partes. O PSG deu o passo que faltava para poder lutar pela Champions, tornando-se mais equipa do que nunca, mas a segunda parte da final trouxe uma quebra acentuada. Quando já estava desgastado, física e mentalmente, até pelo impacto do golo, teve pela frente um adversário que jogava como se estivesse no começo.

Final-8... ficamos por aqui

Já se fala na possibilidade de este formato continuar nos próximos tempos. Foi tudo aquilo que se imaginava, com alguns jogos emocionantes e dando espaço para surpresas – principalmente o Lyon, que aproveitou a estratégia ao lado de Guardiola e os erros individuais do Man City para chegar às meias. No entanto, e aceitando que possam existir vantagens, a ideia de afastar os adeptos (reais) deste cenário de decisão é tudo aquilo de que o futebol não precisa. Para se perceber a falta que fazem, já basta este período de ausência forçada. A eliminatória a duas mãos até dificulta a vida aos mais pequenos, mas jogarão ao lado de quem os apoia. Esse lado emocional, cada vez menos importante para quem manda, não deve deixar de existir.

Especial Liga dos Campeões: Acompanhe todas as decisões com o SAPO Desporto! 

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.