O treinador do Shakthar Donetsk, o português Luís Castro, considerou que o conjunto ucraniano teve uma noite terrível e que não foi uma equipa na derrota frente ao Borussia Monchengladbach (6-0), na Liga dos Campeões de futebol.

"Não fomos uma equipa. Fizemos um jogo terrível e muito fraco. Não fomos capazes de os pressionar e controlar a profundidade do jogo. Na primeira parte não lhes criámos qualquer problema no ataque. Não fomos surpreendidos pela forma como o Monchengladbach jogou. Ficámos surpreendidos com o que nós mostrámos neste jogo", referiu.

O francês Alassane Plea, aos oito e 26 minutos, Valeriy Bondar, aos 17, na própria baliza, e o argelino Ramy Bensebaini, aos 44, fizeram os tentos do ‘Gladbach' na primeira parte, sendo que Lars Stindl aumentou a contagem, aos 65, e Plea consumou o ‘hat-trick', aos 78.

"Foi uma noite terrível para nós. A equipa que conseguiu um resultado fantástico há duas semanas em Madrid [3-2 ao Real] não foi capaz de causar quaisquer problemas aos seus oponentes [hoje], é difícil aceitar", referiu.

Ao intervalo, Luís Castro fez três substituições, porque não podia arriscar fazer uma segunda parte tão má como a primeira.

"Queríamos refrescar a equipa, queríamos dar alguma energia que nos faltou na primeira parte. Não esperávamos uma noite tão má para nós", afirmou.

O treinador português assumiu que este resultado "foi uma grande desilusão", mas garante que vai continuar a lutar pelo apuramento num grupo em que está em igualdade com o Real Madrid na segunda posição, com quatro pontos, menos dois do que o Monchengladbach e mais dois do que o Inter de Milão.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.