Esta quarta-feira, a seleção portuguesa recebe a Suécia, no Estádio de Alvalade, em jogo a contar para a quarta jornada do Grupo 3 da Liga das Nações de futebol, num encontro da quarta jornada em que Cristiano Ronaldo estará ausente, infetado com a covid-19.

O capitão da seleção nacional, que marcou um total de sete golos nos últimos quatro confrontos com os escandinavos, teve um teste positivo ao novo coronavírus na terça-feira e é baixa certa para o encontro que vai decorrer no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

Portugal chega a este encontro depois de um empate a zero em França na última ronda do agrupamento, enquanto a Suécia vem de uma derrota frente à Croácia por 2-1.

Neste momento, Portugal e França seguem no topo no Grupo 3, com sete pontos, embora a formação lusa tenha para já vantagem na diferença de golos, enquanto a Croácia é terceira, com três pontos, e a Suécia segue no último posto, com nenhum ponto.

O Portugal-Suécia está agendado para as 19:45 e terá arbitragem do sérvio Srdjan Jovanović.

Os confrontos

Historicamente, a Suécia é um adversário complicado para a seleção nacional. No total, Portugal e Suécia já se encontraram 19 vezes, sendo que os suecos somam sete vitórias, mais uma que os portugueses, enquanto seis das partidas terminaram com um empate. Ao todo, a equipa das quinas marcou 22 golos e sofreu 29.

O primeiro confronto entre Portugal e Suécia remonta a 1955, quando os suecos golearam a seleção nacional, no Jamor, por 6-2, num jogo amigável.

Nos cinco jogos que se seguiram, os escandinavos somaram mais quatro triunfos, sendo que, pelo meio, Portugal conseguiu não perder pela primeira vez, ao empatar 1-1 em Solna, em 1967, num jogo em que Custódio Pinto faturou para os lusos.

A primeira vitória de sempre face aos suecos aconteceu apenas ao sétimo jogo: em 12 de setembro de 1984, Portugal impôs-se na Suécia por por 1-0, graças a um tento do portista Fernando Gomes, aos 79 minutos, na fase de apuramento para o Mundial de 1986.

Depois de um empate e uma derrota em casa, a seleção lusa voltou a vencer na deslocação a solo sueco em 1987, em 23 de setembro, novamente por 1-0 e, outra vez, graças a um golo do ‘bi-Bota de Ouro’, este apontado aos 34 minutos.

O terceiro triunfo sobre os suecos também aconteceu fora, por 3-2, em 2002, num particular, decidido com tentos de Sérgio Conceição, atual treinador do FC Porto, Romeu e Rui Costa, administrador da SAD do Benfica, este último com um remate de fora da área, aos 88 minutos. Era Agostinho Oliveira o selecionador.

Seguiram-se três empates consecutivos e os dois jogos de 2013, com Portugal a vencer pela primeira vez em casa, finalmente, à nona tentativa, em 15 de novembro, e a repetir o triunfo na Suécia, com o ‘show’ de Cristiano Ronaldo,  que ‘atirou’ Portugal para o Campeonato do Mundo do Brasil, no ‘play-off’ da qualificação europeia.

O penúltimo embate entre as duas seleções aconteceu em 2017, na Madeira, num particular em que os suecos ‘imitaram’ o tal resultado de Solna (3-2), mas dessa vez a seu favor, embora Ronaldo, no único encontro que fez no ‘seu’ Funchal com a camisola das ‘quinas’, tenha aberto o marcador.

Já o mais recente encontro entre as duas seleções aconteceu no passado mês de setembro, quando a equipa das Quinas venceu por 2-0, em Estocolmo, com um bis de Cristiano Ronaldo.

A forma das equipas

Em relação ao encontro com a França, é esperado que o selecionador Fernando Santos opere algumas alterações no ‘onze’ inicial, com João Cancelo a poder regressar ao lado direito da defesa, já que é um lateral mais ofensivo do que Nelson Semedo, assim como Renato Sanches ou João Moutinho no meio campo, desfazendo a dupla Danilo-William Carvalho.

Longe da melhor forma, Bernardo Silva pode igualmente sair da equipa inicial, dando lugar a uma unidade mais ofensiva como Diogo Jota, Trincão ou até o ponta de lança André Silva.

Do lado da Suécia, que só conta derrotas e tem apenas um golo marcado, para cinco sofridos, o selecionador Janne Andersson necessita com alguma urgência de um bom resultado em Lisboa para acalmar as críticas, numa altura em que começa a ser contestado no cargo.

Já afastado da seleção, Zlatan Ibrahimovic tem sido uma das vozes que tem defendido a saída do técnico de 58 anos, tendo já classificado Andersson como “incompetente” e “uma anedota”.

Na formação escandinava, destaque para Dejan Kulusevski, avançado de apenas 20 anos, colega de Cristiano Ronaldo na Juventus, que é apontado com a futura estrela da Suécia, e para o médio criativo Emil Forsberg, do Leipzig.

 O que dizem os treinadores

Fernando Santos, selecionador nacional, afirmou que Portugal está preparado para defrontar a Suécia sem Cristiano Ronaldo e considerou que os escandinavos serão muito importantes nas contas finais do Grupo 3 da Liga das Nações de futebol.

“Esta equipa já demonstrou que tem capacidade coletiva para resolver as dificuldades que são colocadas. Tenho confiança absoluta. Gostava de ter Cristiano Ronaldo. Nenhuma equipa fica mais forte sem o melhor do mundo, mas tenho confiança absoluta nos que vão entrar em campo”, afirmou Fernando Santos, recusando divulgar quem será o substituto do capitão da seleção nacional frente à Suécia.

Para Fernando Santos, a Suécia, que Portugal venceu por 2-0 em Solna, na segunda jornada, é uma equipa de “grande qualidade, que trabalha muito e com qualidade técnica”.

“Está em último lugar, mas as contas do grupo passam muito por esta Suécia. É muito importante vencer”, frisou o selecionado luso.

Fernando Santos mostrou-se ainda satisfeito com a presença de 5.000 adeptos no Estádio José Alvalade, naquele que vai ser o jogo em Portugal com mais adeptos desde o início da pandemia da covid-19.

“5.000 já é muito bom neste cenário. É sempre entusiasmante ter público. Ter um estádio cheio a cantar o hino seria melhor, mas mesmo assim vai ser importante. Importante para mim e para os jogadores”, confessou.

Já o sueco Janne Andersson considerou que a ausência de Cristiano Ronaldo do encontro do Grupo 3 da Liga A da Liga das Nações de futebol, diante de Portugal, “não vai alterar em nada” a estratégia da Suécia.

O capitão da seleção portuguesa testou positivo à covid-19 e vai falhar o encontro de quarta-feira, sendo o terceiro jogador da equipa das ‘quinas’, depois de José Fonte e Anthony Lopes, a ficar infetado pelo novo coronavírus.

“Nós sabemos que vamos defrontar uma das melhores equipas do mundo, com ou sem Ronaldo. Sabemos disso e não vai alterar nada para nós”, começou por dizer Janne Andersson, na conferência de imprensa de antevisão ao jogo da quarta jornada.

Contudo, o técnico, de 58 anos, não esquece a exibição do avançado da Juventus em Estocolmo, onde, em setembro último, apontou os dois golos de Portugal na vitória por 2-0.

“No jogo em Estocolmo foi mais ou menos o Ronaldo sozinho que conseguiu fazer o resultado. Desse ponto de vista, pode ser positivo [para nós]. Mas [Portugal] tem boas soluções para o lugar dele”, observou.

O apito inicial está marcado para as 19h45, no Estádio José Alvalade. Pode acompanhar a partida AO MINUTO no SAPO Desporto.

*Artigo atualizado às 11h06

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.