O Sevilha cedeu hoje um empate na receção ao Valladolid, a um golo, na 14º jornada da Liga espanhola de futebol, e desperdiçou a oportunidade para subir ao quinto lugar, por troca com o FC Barcelona.

A equipa andaluza adiantou-se no marcador aos 31 minutos, pelo extremo argentino Lucas Ocampos, na execução de um penálti, mas permitiu o empate muito perto do final do tempo regulamentar, aos 87, pelo lateral esquerdo do Valladolid, Raul Garcia.

O internacional sub-21 português Jota iniciou o jogo no banco de suplentes do Valladolid, mas foi lançado em campo aos 62 minutos, para render o médio Fede.

Com este empate surpreendente, o Sevilha, que tem 12 jogos, deixou fugir a oportunidade de subir ao quinto lugar, ultrapassando o FC Barcelona, mantendo-se no sexto posto, com 20 pontos, menos um do que a equipa catalã.

Horas antes, a Real Sociedad tinha deixado o Atlético Madrid, que venceu na receção ao Elche, isolado na liderança da Liga espanhola de futebol, ao perder no estádio do Levante, por 2-1.

A equipa basca até foi a primeira a marcar, pelo avançado sueco Alexander Isak, aos 22 minutos, mas o Levante conseguiu empatar seis minutos depois, aos 28, pelo avançado Marti Roger, e dar a volta ao resultado já perto do final da partida, aos 87, por Jorge de Frutos.

Com esta derrota, a Real Sociedad, que partilhava a liderança com o Atlético Madrid, segue ainda em segundo lugar, com 26 pontos, os mesmos do Real Madrid, mas pode cair para terceiro no domingo, caso a equipa ‘merengue’ pontue no terreno do Elche.

O FC Barcelona também desperdiçou mais dois pontos, ao empatar 2-2 na receção ao Valência, num embate em que Lionel Messi fez história, com o golo 643 pelos catalães.

Numa época em que tem andado longe das ‘grandes’ exibições e do número habitual de golos, incapaz de ‘emergir’ da intensa crise ‘culé’, o argentino passou a ser o jogador com mais tentos pelo mesmo clube, igualando o registo do ‘rei’ Pelé, pelo Santos.

Messi conseguiu-o com um golo aos 45+4 minutos, certamente, um dos mais estranhos da carreira: falhou um penálti, mas Jordi Alba chegou primeiro à defesa incompleta de Domenech e centrou, com a bola a ressaltar e o argentino a marcar de cabeça.

O golo, que empatou o jogo (1-1), ‘caiu do céu’ para o FC Barcelona, pois o Valência adiantou-se em Nou Camp, num cabeceamento do francês Mouctar Diakhaby, deixado sozinho num canto, aos 29 minutos.

Na segunda parte, o uruguaio Ronald Araújo ainda adiantou os catalães, com um remate acrobático, aos 52 minutos, mas, aos 69, Gonçalo Guedes lançou Gayà, que centrou da esquerda para o desvio do argentino Maxi Gómez, que selou o 2-2 final.

Gonçalo Guedes, que fez um bom jogo, com várias assistências não aproveitadas, saiu aos 87 minutos, esgotado, enquanto Francisco Trincão voltou a ser inconsequente no ‘Barça’, em mais 17 minutos de utilização.

O FC Barcelona é quinto, com 21 pontos, em 13 jogos, seguindo, com mais um encontro do que o Atlético de Madrid, a oito dos ‘colchoneros’, que bateram em casa o Elche por 3-1, com um ‘bis’ do uruguaio Luis Suárez, que o ‘Barça’ mandou embora.

Luis Suárez ‘bisou’, com tentos aos 41 e 55 minutos, assistido pelo inglês Kieran Trippier e o belga Yannick Ferreira Carrasco, respetivamente.

Os forasteiros ainda reentraram na luta pelos pontos, com um tento de cabeça do argentino Lucas Boye, aos 64 minutos, após um canto, mas, aos 78, Diego Costa, que substituíra João Félix, aos 74, fez o 3-1, num penálti duvidoso.

Na classificação, o ‘onze’ do argentino Diego Simeone, que na última ronda tinha perdido fora com o Real Madrid por 2-0, mantém-se na liderança, agora isolado, com 29 pontos, em 12 jogos, seguido da Real Sociedad, com 26, em 15, da equipa ‘merengue’, com 26, em 13, e do Villarreal, com 25, em 14.

O Villarreal foi a Pamplona vencer o Osasuna por 3-1, num jogo em que esteve sempre na dianteira do marcador, que inaugurou logo aos sete minutos, por Gerard Moreno, mas ainda antes do intervalo aumentaria a vantagem, aos 29, pelo avançado Fer Nino.

Na segunda parte, o Osasuna, que se viu em inferioridade numérica desde os 19 minutos, fator determinante no desenrolar da partida, ainda reentrou na discussão do resultado a 20 minutos do fim, quando Roberto Torres, na cobrança de um penálti, reduziu para 2-1.

No entanto, a quatro minutos do final do tempo regulamentar, Gerard Moreno ‘bisou’ e arrumou definitivamente com a questão do desfecho da partida.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.