A defesa internacional portuguesa Mónica Mendes defendeu hoje que a entrega colocada pelas jogadoras das seleções de Portugal e Chipre vai determinar a diferença na dupla jornada de qualificação para o Europeu de futebol feminino.

A equipa das 'quinas' joga em Larnaca, na sexta-feira, a partir das 19:00 (17:00, em Lisboa), recebendo a seleção cipriota quatro dias depois, pelas 18:00, no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril.

“São duas seleções em crescimento, em fases diferentes. A seleção do Chipre tem investido no seu próprio talento para que seja cada vez melhor, como Portugal tem feito nos últimos anos. Vimos de uma situação sem competição e as seleções partem mais ou menos do mesmo patamar. O que vai determinar a diferença é a entrega”, explicou à Lusa a futebolista.

Portugal soma uma vitória e um empate em dois jogos disputados no apuramento, enquanto o Chipre, em três partidas, não conseguiu pontuar, nem marcar qualquer golo, tendo sofrido 14 tentos. Apesar de os números atestarem a superioridade lusa, Mónica Mendes assumiu o “enorme desafio”, mas confia numa jornada positiva.

“Temos de estar muito concentradas naquilo que temos de fazer do princípio ao fim, pois elas não vão facilitar nada. Vai ser um enorme desafio para nós, mas tenho a certeza de que, se Portugal conseguir meter em campo aquilo que está a treinar, vamos conseguir ter uma jornada muito positiva”, expressou.

Mónica Mendes teve uma curta passagem pelo futebol cipriota, tendo alinhado durante cerca de um mês no Apollon Limassol, em 2015/16, mas foi tempo suficiente para perceber a paixão, garra e determinação das jogadoras do Chipre quando representam o país.

A futebolista, de 27 anos, sublinhou a felicidade em poder representar a seleção portuguesa num contexto de pandemia, que ‘parou’ as competições de futebol feminino durante meses.

“Temos condições fantásticas e estamos a trabalhar ao máximo para que os nossos objetivos e sonhos continuem a ser cumpridos. Há outras modalidades que não o podem fazer, portanto somos muito sortudas”, disse.

Depois de muitos anos a jogar no estrangeiro, Mónica Mendes retornou a Portugal esta temporada, na qual alinha pelo Sporting, que colocou na convocatória 10 jogadoras, embora isso não seja “muito relevante” para a jogadora.

“Aqui não há clubes, há jogadoras que se entregam de corpo e alma para honrar Portugal e é isso que mais importa. Já nos conhecemos quase todas há imensos anos e temos feito o nosso caminho. Cada uma de nós traz sempre qualquer coisa de diferente, independentemente do clube que representamos”, afirmou.

Portugal ocupa a terceira posição no Grupo E de qualificação, com quatro pontos, atrás da Escócia, que tem seis, e da líder Finlândia, com 10, mas mais dois encontros realizados. Albânia, com três, segue em quarto, enquanto o Chipre, em último, ainda não somou qualquer ponto.

Apuram-se para a fase final os vencedores de cada grupo mais os três segundos classificados com melhores resultados face ao primeiro, terceiro, quarto e quinto no seu grupo.

Os restantes segundos vão disputar um 'play-off' em data a definir, para assegurar as últimas três vagas na fase final.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.