Hoje fica-se a saber quem é o novo campeão sul-americano de futebol, num duelo entre argentinos e brasileiros.

Rodeado de mística na competição, o Lanús quer fazer o seu jogo funcionar no segundo encontro, para reverter a derrota por 1 a 0 na partida da primeira-mão frente ao Grêmio, na final da Taça Libertadores 2017, esta quarta-feira. A formação gaúcha procura o terceiro título na prova.

Os 'granates' sonham em conquistar o primeiro título da Libertadores na história do clube, depois de chegarem à primeira final do torneio, eliminando o todo poderoso River Plate, numa meia-final épica.

O Grêmio quer a terceira taça do continente sul-americano, após os títulos de 1983 e 1995, mas não tem uma margem de erro muito grande. No jogo da primeira-mão, com mais de 55 mil adeptos no Arena Grêmio, o ´Tricolor` só conseguiu soltar o grito de golo aos 37 minutos do segundo tempo graças a um desvio de cabeça do médio Cícero.

Agora serão 40.000 simpatizantes do Lanús que esperam explodir de alegria no estádio "La Fortaleza", a 10 quilómetros do centro de Buenos Aires.

"É uma final e as finais são para ganhar. Custou-nos muito chegar até aqui. A equipa está bem e [o 1-0] é um resultado que dá para reverter", disse esta segunda-feira Jorge Almirón, técnico do Lánus.

O ´comandante` dos argentinos disse que o Lanús não vai mudar "a maneira de jogar e que tem jogadores para isso", convencido de que o Granate será capaz de virar a decisão com o apoio dos seus adeptos.

Almirón já tem quase toda a equipa na cabeça: "a única dúvida é a defesa e tenho um dia a mais para testar", frisou o treinador que não vai poder contar com o central Diego Braghieri.

"É um golo. Temos que ter paciência e trabalhar bem. Certamente o estádio vai estar cheio, vai ser uma festa e a equipa vai estar à altura da final”, enalteceu o treinador.

Provas não faltam para a equipa acreditar. A memória mais próxima é a reviravolta na semifinal, quando eliminaram o River Plate ao vencer por 4 a 2, depois ser derrotado por 1 a 0 no jogo da primeira-mão e começar a perder por 2 a 0 na partida da segunda-volta.

´Tricolor importal` procura o tri

O Grêmio não quer perder a hipótese de reviver a glória, mais de 20 anos depois do segundo e último título da Taça Libertadores, conquistada em 1995.

Os jogadores do 'Tricolor' realizaram um treino às portas fechadas na segunda-feira, em Porto Alegre, sem que o técnico Renato Gaúcho revelasse o mistério de como vai montar a equipa para enfrentar o Lanús.

A formação gaúcha tem previsto um último treino para fazer o reconhecimento do relvado esta terça-feira.

"Estamos bem preparados para este momento. Estamos a trabalhar, pensando e sonhando com a Taça. Confiamos no nosso potencial e no nosso trabalho coletivo", declarou o médio Ramiro, em declarações à imprensa, antes de deixar a capital do Rio Grande do Sul.

A equipa deve ser montada com a maioria dos 11 jogadores que derrotaram o Lanús na primeira-mão. A única mudança garantida é a suspensão de Walter Kannemann, possivelmente substituído por Bressan.

Kannemann viaja para Buenos Aires com a comitiva, mas não vai estar em campo porque o pedido feito à Conmebol para cancelar um cartão amarelo na Arena do Grêmio não foi bem-sucedido na Confederação Continental.

O jogo vai ser dirigido pelo trio paraguaio, comandado por Enrique Cáceres, acompanhado dos auxiliares Eduardo Cardozo e Juan Zorrilla.

Equipas prováveis

Lanús: Esteban Andrada - José Gómez, Rolando García, Marcelo Herrera, Maximiliano Velázquez - Román Martínez, Iván Marcone, Nicolás Pasquini - Alejandro Silva, José Sand, Lautaro Acosta.

Treinador: Jorge Almirón.

Grêmio: Marcelo Grohe - Edílson, Pedro Geromel, Bressan, Bruno Cortez - Jaílson, Arthur, Ramiro, Luan, Fernandinho - Lucas Barrios.

Treinador: Renato Gaúcho

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.