Depois do triunfo frente ao Grêmo, Jorge Jesus fez a análise do encontro e sublinha que não veio para o Brasil para tirar o lugar a ninguém.

Humildade

"Eu vim para o Brasil para trabalhar, não vim para tirar o lugar a ninguém, nem para ensinar. Vim para trabalhar dentro de uma metolodogia de jogo que tenho e que apresentei ao Flamengo. Não sou melhor nem pior do que nenhum treinador brasileiro e quero que percebam que o facto de eu estar aqui não quer dizer que esteja a denegrir ninguém ou mostrar que os brasileiros têm maior ou menor valor", afirmou prosseguindo. "Gostaria ainda de relembrar os meus colegas que em Portugal já treinou o Luiz Felipe Scolari, que é acarinhado por todos os treinadores portugueses. Além dele, Sebastião Lazaroni, Abel Braga, Carlos Alberto, Paulo Autuori. Todos estes estiveram em Portugal e quando isso aconteceu nós tentámos aprender com eles e tirar algo de positivo. Nunca houve esta agressividade verbal constante que têm tido sobre mim. Até os reformados, que já estão em casa a tremer. Sinceramente, não entendo estas mentes fechadas e espero que olhem para mim como colega de profissão, independentemente de ser português, argentino ou brasileiro!."

O técnico convida ainda Gabigol a mudar de postura apesar do golo marcado.

"O Gabi é o melhor goleador do campeonato, queria jogar por tudo e principalmente porque queria marcar golos, mas se soubesse que acontecia isto não o punha a jogar. A situação preocupa-me muito. Ainda não consegui fazer dele emocionalmente um grande jogador, como é tecnicamente e taticamente. Ainda não consegui, mas penso que a pouco e pouco terei tempo para fazer dele um grande jogador. Exemplo de Messi, Ronaldo, que na carreira deles não têm esta postura".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.